sexta-feira, 8 de outubro de 2010

O espiritismo e a novela da Globo

Marcelo Spalding

Acabou mais uma novela da Globo, Escrito nas estrelas, uma novela tão igual e tão diferente das outras. Diferente porque parece consolidar uma abordagem insistente da Rede Globo em relação ao espiritismo, iniciada com a exibição de A Viagem e ampliada agora (só nos últimos anos tivemos também a re-exibição de Alma Gêmea e a produção dos filmes Chico Xavier e Nosso Lar). Poderíamos pensar se tal insistência no tema é uma marca da decadência do catolicismo no nosso país ou uma tentativa da Rede Globo combater o crescimento da Record e seus evangélicos, pois mesmo numa cultura sincrética como a nossa é muito difícil conciliar as crenças evangélicas com as doutrinas espíritas, mas vamos nos ater àquilo que a novela teve de igual a todas as outras, o culto ao materialismo e ao consumismo.

Jovens beldades suspiram por novos pares de sapato, gerando belo merchandising, homens importantes dirigem carros modernos e caros, mãe e filha ficam histéricas diante de joias e todos se admiram com a beleza da mocinha quando em vez de cabelos e roupas naturais ela passa por um hair design e faz compras sem limites num shopping qualquer. Eis os valores que imperam, valores absolutamente conflitantes com aquilo que prega o verdadeiro espírita, como desapego às questões materiais, ao carro da moda, ao cabelo da moda, à roupa da moda. Mais do que a história da vida passada de Valentina e da vida presente de Vitória, a novela tratou da enorme diferença da vida de suburbana de Viviane e da vida de madame de Vitória, agora com novas roupas, novo jeito de andar, de falar, de se portar, consagrando preconceitos sociais arraigados e delimitando uns e outros, os que estão na moda e os que não estão, os vitoriosos e os cômicos (sempre havendo entre eles os bandidos).

Os pares românticos, por sua vez, são formados sempre com belíssimas e jovens mulheres se apaixonando por íntegros e riquíssimos homens. Assim a protagonista da vez, Vitória/Viviane, não por acaso descobre-se alma gêmea do viúvo e milionário Dr. Ricardo, e não do taxista, do motorista, do funcionário da clínica, de alguém comum, como nós. A própria protagonista, aliás, alma gêmea do doutor, é jovem, linda e inteligente, figura fácil de se apaixonar nesta ou em qualquer outra vida.

Ocorre que esse tipo de construção, tão comum nas novelas, faz o telespectador mais cético duvidar dessa história de alma gêmea ou mesmo do amor, afinal ele nunca sentiu algo daquele jeito e se sente frustrado porque seus melhores sentimentos são ou foram destinados a pessoas com muito menos virtudes, dinheiros ou curvas.

Esse maniqueísmo absurdo (ricos e pobres, bons e maus) é muito mais inverossímil do que qualquer contato entre vivos e mortos, do que qualquer reencarnação ou carma. O próprio espiritismo, aliás, quebra o dualismo céu e inferno do catolicismo ao trazer outros tantos destinos possíveis para a vida após a morte, afinal, nenhum de nós será sempre e apenas bom ou sempre e apenas mau, há nuances, há momentos, há fraquezas. E, socialmente falando, parece ainda mais óbvio que não há apenas ricos e pobres, entre eles há uma enorme classe média que, aliás, frequenta casas espíritas e foi assistir ao Nosso Lar, uma classe média tão distante das afetações da mansão do Dr. Ricardo quanto das maracutaias de seu Jofre.

O problema da pasteurização é que a novela contraria valores espíritas que supostamente estariam sendo representados, além de prometer uma comprovação quase científica de algo que não se tem como provar, é apenas uma questão de fé, uma questão de fé tão cega e possível quanto acreditar nada haver além desta vida.

O espiritismo kardecista nada mais é do que uma visão de mundo que se define como filosofia, ciência e religião, e não por acaso surgiu na França do século XIX, o das luzes. A premissa básica é que o espírito é imortal, enquanto o corpo é mortal, e se considerarmos apenas que essa premissa possa ser possível, que depois de morrermos nossa alma ou consciência ou seja lá o que for irá para outro lugar, e não simplesmente se apagará de repente, se considerarmos apenas essa premissa já muda tudo: o acaso dá lugar a uma complexa cadeia de ação e reação que ajuda-nos a intuir algum sentido para a vida e compreender algumas injustiças absurdas que vivenciamos.

Se além desse espírito imortal temos realmente almas gêmeas, se os "mortos" estão ao nosso redor, se podemos vê-los ou ouvi-los, se com a regressão realmente lembramos de outra vida, se há céu ou inferno, se há trabalho no nosso lar ou violetas na janela, isso tudo são suposições, criações e possibilidades dentro de uma premissa básica, esta, sim, realmente importante.

Um verdadeiro espírita como a minha mãe, que, aliás, se emocionou muito com o último capítulo da novela, aquele que mais abordou a vida além da vida, não lembra em nada a apática Jane, a interesseira Sueli nem a perfeita Mariana, personagens, aliás, que como todos os outros (exceção ao Vicente) vão mil vezes mais ao shopping do que a qualquer igreja ou centro espírita, cenários curiosamente inexistentes na novela. Um verdadeiro espírita, acima de tudo, é um verdadeiro cidadão desse mundo, alguém capaz de respeitar o próximo tenha ele a cor, o salário, a crença ou a idade que tiver. E isso, acredito, é muito mais difícil do que encontrar uma alma gêmea, do que abraçar uma fé, do que perdoar.

Tenho certeza que mais novelas e filmes sobre essa temática vão surgir, não apenas porque estão se mostrando lucrativos como também por serem um material farto para a ficção (assim como a Bíblia e o catolicismo, fonte inesgotável da arte há dois mil anos). Só espero que aos poucos os valores e as reais premissas do espiritismo prevaleçam e não se pasteurize demais algo tão complexo, tão difícil e já tão deturpado. Ou, pelo menos, que junto com a pasteurização e o interesse popular venha o interesse real e desarmado da academia e da ciência, áreas que, ao livrarem-se dos preconceitos e reconhecerem suas limitações, teriam muito a contribuir com o espiritismo.

2 comentários:

  1. Só a expressão "espiritismo kardecista" que não é muito adequada. Espiritismo é um termo por si só suficiente. Doutrina dos espíritos. Ok! :-)

    ResponderExcluir
  2. rjlcneto
    Entendo que em um texto para "não espíritas", a expressão "espiritismo Kardecista" seja empregada, pois muitos não sabem a diferença e confundem com "espiritualismos" outros. Muitos pensam que espiritismo equivale a comunicações mediúnicas apenas. Não conhecem a profundidade da doutrina e o fato, por exemplo, de ser uma doutrita cristã, que prega o amor e a caridade... Nós sabemos que Kardec apenas codificou a doutrina, o que deixa o termo, para nós, não adequado, mas em um texto público, que não tenha espaço para muitas explicações, na minha opinião, é aceitável. Tati.

    ResponderExcluir