sábado, 28 de março de 2009

Escolhas insólitas

Minha tradução livre para este belo conto de Cortázar.


Escolhas insólitas

(Julio Cortázar, Último Round, 1969)

Não está convencido.

Não está nada convencido.

Deram-lhe a entender que poderia escolher entre uma banana, um tratado de Gabriel Marcel, três pares de meias de náilon, uma cafeteira com garantia, uma loira de costumes elásticos ou a aposentadoria antes da idade regulamentada, mas ainda não está convencido.

Sua reticência provoca insônia em alguns funcionários, em um padre e na polícia local.

Como não está convencido, começaram a pensar se não haveriam de tomar medidas para expulsá-lo do país.

Deram-lhe a entender, sem violência, amavelmente.

Então, disse: “Nesse caso, escolho a banana”.

Desconfiaram dele, naturalmente.

Teria sido muito mais tranquilizador que escolhesse a cafeteira, ou pelo menos a loira.

Não deixa de ser estranho que tenha preferido a banana.

Tem-se a intenção de estudar novamente o caso.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Aperitivo do novo livro

Em primeira mão, o posfácio que o Leonardo Brasiliense escreveu para meu próximo livro, Minicontos e muito menos, que deve ser lançado em abril.

NA VERDADE, CINCO MINI LIVROS...

Há Cinco Marias, para todos os destinos: vítimas, algozes, e até uma que não nasceu. Um nome não aprisiona significado senão pela vida que o carrega. E quem disse que um conto de três linhas não carrega uma vida inteira?

Ciranda da vida nos leva a dançar pelos temas da vida e da morte, para um lado e para outro: de vidas possíveis (chegou a tua hora... eu poderia ter sido atriz...), passando por quem é capaz de tirar a vida (na real, foi assim: primeiro mataram a mãe...), até a morte que permite a vida (no dia em que Paulo se foi...). Ciranda pra lá, ciranda pra cá... Cuidado para não ficar tonto.

Cédula viva, que pra mim não é um conjunto de contos, mas uma mini novela, dá um bom filme, um longa-metragem inteligente. Tem personagens bem definidos, e o que os une, o que os faz semelhantes são as duas coisas escritas no título genial: uma cédula de dinheiro (o motor do mundo contemporâneo) e a vida (o sentido para o sujeito). O indivíduo e o social retratados de uma só vez, com equilíbrio e maturidade, coisa rara.

Faces de sete poemas, na sua intertextualidade, mostra que a diferença entre a poesia e a prosa, especialmente o conto, pode às vezes ser apenas a face, o lado que se olha.

E Sinal dos tempos fala do que é nosso, infelizmente, queiramos ou não.

Cinco mini livros com uma unidade que sentimos mas não podemos definir, que se deixa ver, que se exibe e se descobre no papel, porém é muito mais complexa que tudo o que ali está: a marca do autor, a alma do Marcelo.

Leonardo Brasiliense

quarta-feira, 25 de março de 2009

Como será a literatura na internet?

Há algum tempo ando às voltas com um novo tema, a literatura digital. Ou eletrônica. Ou on-line. Porque não podemos negar que a internet é o símbolo das novas tecnologias de comunicação, que já transformaram a música, o cinema, a televisão e, de certo, transformarão também a literatura.

Nessa linha, muitos já discutem o fim do livro como suporte, discussão que acho acessória (particularmente acho que os livros terão vida muito mais longa do que esses e-books baseados na versão em PDF dos livros, pois tais versões são como filmar uma peça de teatro e dizer que isso é cinema! Nada disso, o teatro sobreviveu ao cinema exatamente porque o cinema é outra coisa, com outras possibilidades e desafios). O que me intriga, então, é pensar de que forma a literatura será veiculada na internet, de que forma a literatura irá explorar as ferramentas das novas tecnologias para criar obras instigantes, originais, multimídias, interativas e, ainda assim, obras literárias, e não games ou clipes.

Vale lembrar que embora hoje literatura seja sinônimo de livro, nem sempre foi o livro o suporte da literatura. Ou alguém acha que as tragédias gregas não são literárias porque, em vez de impressas, eram encenadas? Ou que os contos de fadas não são literários porque, ao invés de escritos, eram transmitidos oralmente? Claro que não. O livro é apenas um meio de se transmitir literatura, assim como o LP, o K7, o CD ou o MP3 são meios/mídias diferentes para a mesma arte: música.

Ocorre que, na literatura, essas mudanças na forma costumam ser acompanhadas de profundas mudanças estéticas. O romance, por exemplo, é um gênero relativamente recente, associado à modernidade (Dom Quixote é de 1605), e seu apogeu em relação a outras formas, como a epopéia ou as tragédias, tem muito a ver com a invenção da imprensa e a facilidade de impressão de livros. Assim como Edgar Allan Poe, espécie de inventor do conto moderno, associa a short story à popularização das revistas e jornais.

Claro que isso demora anos, décadas, gerações. É preciso que as gerações nascidas sob a égide da nova tecnologia cresçam, produzam suas próprias ficções nesse suporte e com suas particularidades, depois cheguem nas academias, na mídia e passem a valorizar este tipo de produção. Mas é tarefa das cabeças pensantes do nosso tempo perceber a pertinência dessa reflexão, a potencialidade criativa que as novas tecnologias oferecem e incentivar essa criação. Foi com esse intuito, aliás, que promovi aqui no RS o I Prêmio Gaúcho de Arte Eletrônica. Foram três categorias, Artes Visuais, Cartum e Literatura, e acho que os trabalhos mais interessantes acabaram mesmo sendo na área de literatura.

CiberPoesia, da ilustradora Ana Gruszynski e do escritor Sérgio Capparelli, no concurso ficou com o Prêmio Especial por ser um projeto absolutamente a frente de seu tempo. Utilizando o Flash, o site traz diversos poemas visuais e ciberpoemas interativos que demonstram a riqueza de possibilidades da nova ferramenta: o leitor não apenas lê, ele também cria através da interação, vê os movimentos das ilustrações integrados ao poema e ao final observa o resultado da criação. Um projeto como esse só poderia surgir de um escritor acostumado com a literatura infantil, um gênero que há tempos não se restringe ao texto, e, por esse motivo, deixou de ser um trabalho único, autoral, para se tornar um trabalho de equipe (raros são os escritores que também são ilustradores, e poucos são os ilustradores que acumulam a função de designer gráfico dos livros).

Outro trabalho que chamou minha atenção foi a novela Desfocado, de Mauro Paz. Mauro contou que havia escrito essa novela e, na hora de publicar, decidiu aproveitar seu conhecimento em Flash para criar uma novela multimídia e interativa. Dessa forma, o leitor encontra um menu com hiperlinks para cada capítulo e, à medida que for avançando na leitura da história, irá se deparar com cartas manuscritas, chocolates que vão perdendo seus pedaços à medida que a leitura avança e assim por diante. Para quem tem uma conexão razoavelmente rápida, é divertimento na certa. Com boa literatura por trás.

Mauro concorria na categoria Literatura, onde os dois mais votados ― a votação foi feita por artistas cadastrados no portal que organizou o Prêmio ― foram o blog de Rubem Penz, Rufar dos Tambores, e o e-book de Ana Mello, Finais Felizes, que levou o troféu. Olhando de fora, poderia dizer que o trabalho de Ana Mello é uma espécie de exemplo da transição entre a cultura livresca e a cultura digital. Apesar de o texto ser publicado em formato de livro (PDF), a paginação é feita com o efeito flip, há todo um cuidado de acabamento (capa, diagramação) e o gênero escolhido é um gênero perfeito para a internet: o miniconto. Já o blog de Rubem representa todos os blogs literários inscritos para o prêmio, e foram diversos, o que também evidencia que há muito a literatura tem buscado seu espaço no mundo digital e os blogs, por se tratarem de ferramentas fáceis de usar e gratuitas, se tornaram a porta de entrada preferida.

Claro que a abrangência do concurso é pequena para o universo da internet, nosso Estado é apenas um entre os vinte e poucos do país e nosso país é um entre as centenas do mundo, mas com ele parece que consegui mostrar aos mais céticos que é possível, sim, fazer boa literatura para a internet. E, mais ainda, que é possível ser original e criativo no uso das ferramentas dessas novas tecnologias para a produção de literatura.

Evidentemente, voltarei ao tema em outras tantas colunas, provocando leitores e, acima de tudo, escritores a pensar diferente. Por enquanto, convido vocês a me enviarem links de outras obras literárias publicadas na internet para, aos poucos, criarmos uma biblioteca paralela somente com bons exemplos de literatura on-line. Somente assim, acabem as árvores, os papéis ou os livros, a literatura permanecerá mais viva do que nunca.

Marcelo Spalding

Quando a educação vira caso de polícia...

Professora agredida por aluna na Capital sofre traumatismo craniano

Adolescente alega que foi ofendida e admite ter empurrado Glaucia

Marcelo Gonzatto, ZH Online

A professora Glaucia Teresinha Souza da Silva, 25 anos, agredida por uma aluna da Escola Estadual de Ensino Fundamental Bahia, da Capital, passou por uma tomografia no meio da tarde no HPS que apontou a existência de um traumatismo craniano. A educadora foi transferida às 18h ao Hospital Beneficência Portuguesa para a realização de novos exames e ficar internada em observação.

A discussão teria sido motivada por indisciplina da aluna. A agressão ocorreu quando a professora foi até a sala de aula da estudante da 8ª série para buscar a aluna e levá-la à direção, após um desentendimento entre as duas. A adolescente alega ter sido ofendida e admite ter empurrado a professora, que bateu a cabeça na parede, desmaiou e foi encaminhada ao HPS.

A Delegacia da Criança e Adolescente Vítima vai apurar a versão da menina, que diz ter sido alvo de racismo. A aluna foi encaminhada ao Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca), que vai apresentá-la ao Ministério Público.

Mais:

Caso da professora agredida por aluna realimenta discussão sobre a indisciplina

segunda-feira, 23 de março de 2009

Quanto custa rechear seu Currículo Lattes

Essa não é uma coluna sobre cultura, é sobre educação. Mas o que tem mais a ver com a cultura do que a educação?

Todo estudante universitário já ouviu falar do Currículo Lattes, todo aspirante a Mestre ou Doutor decerto já fez o seu e àqueles com pretensões acadêmicas é imprescindível atualizar seu Lattes pelo menos duas vezes por ano. O Lattes é critério quase universal para seleções de programas de pós-graduação do Brasil e do exterior, além de ser fundamental nas bancas de contratação de professores universitários em concursos e editais. Mantido pelo CNPq, é uma forma democrática de centralizar as informações acadêmicas de todo país, permitindo aos pesquisadores encontrar colegas de áreas afins e, a quem seleciona, avaliar a produção científica do aspirante à vaga.

Os críticos dizem que o Lattes transforma todo o esforço intelectual dos pesquisadores em quantidade, em números, simplificando e até ridicularizando uma produção eminentemente qualitativa. Ocorre que no final do Lattes há uma tabela informando quantos artigos foram publicados, quantos livros ou capítulos de livros, de quantos congressos o fulano participou. Mas até aí nenhuma novidade, se você começou a ler este texto provavelmente já sabe o que é e como funciona o Currículo Lattes. A novidade é que um bom Lattes tem preço.

Com o crescimento dos cursos de pós-graduação no Brasil e o amadurecimento da Plataforma Lattes, a corrida por "qualificação" tem sido grande, e a lógica quantitativa acaba incentivando a formação de um verdadeiro "mercado acadêmico". Já havia percebido isso ao me inscrever em um congresso, no meu caso o da ABRAPLIP, mas poderia ser de qualquer área e em qualquer lugar. Se você quer que seu trabalho seja apresentado, antes da inscrição deve enviar um resumo e aguardar o aceite. Elaborei o resumo, nas normas que exigiam, e o submeti. Em poucas semanas, um e-mail informa que o trabalho foi aprovado, e o ingênuo aqui fica feliz da vida: vai no site, preenche a ficha de inscrição, imprime o boleto, paga no banco a taxa de cento e poucos reais (há eventos de R$ 300,00, R$ 500,00, e por aí afora, especialmente se você for da área de Medicina ou Direito). No dia da minha apresentação no evento, a surpresa: havia cinco pessoas na sala: um professor e quatro apresentando trabalhos. Público para quê? Discussão para quê? Afinal, dali sairemos com um certificado (enviado por e-mail), um CD-ROM e um número a mais no Lattes!

Evidentemente, a proporção não é um por um, mas tão evidente quanto é que os congressos hoje estão inchados com dezenas de apresentações de trabalhos, e o aceite desses é uma mera formalidade. Um trabalho medíocre será aprovado se não comprometer o evento e o autor lá estará, enquanto um aluno excelente que faça um artigo excelente mas por algum motivo não possa pagar a inscrição, ah, esse não estará lá. Afinal, sai caro um bom Lattes...

Mas vamos além, afinal de contas, poucos dos que se aventuram em cursos de pós-graduação não teriam dinheiro para a inscrição de um evento desses. E a passagem? E o hotel? E férias, para quem não tem bolsa? Sim, porque se você tiver pretensão de dar aula na USP, na UFRJ ou na UFRGS, é bom sua vida acadêmica não ficar restrita a Cacimbinhas, é bom você ter ido aos eventos nacionais mais importantes da sua área, ter contatos, viajar. E não espere algum desconto especial para viagens acadêmicas por parte das companhias aéreas. Muito menos bolsas oferecidas pelos cursos de pós-graduação, a não ser em raríssimos ? e discutíveis ? casos. Afinal, sai caro um bom Lattes...

Infelizmente, não é só isso. Estávamos tão acostumados a participar de congressos e pagar por isso, estamos tão satisfeitos em aproveitar esses eventos para fazer turismo pelo Brasil (ah, claro, ninguém acha que o controle de presença nesses eventos seja muito rigoroso, né?) que nem percebemos o quão injusta é essa lógica do "pagando bem, que mal tem". Quero ir além. De uns tempos para cá, tem se tornado comum no Brasil pagar pela publicação de artigos! Sim, os artigos científicos, tão puros, tão imparciais, tão citados como referência do conhecimento pela mídia, pelos nossos professores, publicá-los também tem um preço, e bem salgado.

Ainda não havia me acontecido isso, mas uma amiga da área da Enfermagem ousou submeter seu artigo de conclusão de curso para a Revista Gaúcha de Enfermagem e, adivinhem, o artigo foi aceito para a publicação com uma condição: ela e as outras duas autoras do artigo deveriam ser assinantes da revista para essa publicação, e, claro, isso tem um custo: R$ 130,00. Cento e trinta! Fiquei pensando se já aconteceu de alguém enviar artigo e ele não ser aceito, afinal cenzinho é cenzinho...

Pensei em reclamar para a UFRGS que uma revista com seu logotipo fizesse esse tipo de coisa, mas a Universidade está em férias. Entrei em contato, então, com a Ouvidoria do Ministério da Ciência e Tecnologia, a fim de denunciar esse tipo de abuso num país e numa universidade que lutam pela inclusão acadêmica de negros e pobres. A resposta, conclusiva, me fez perceber que o Lattes realmente tem preço:

Prezado Marcelo,
A cobrança para publicação de artigos é prática frequente na área internacional, inclusive porque alguns periódicos científicos são bancados pelos próprios autores. A informação, pelos custos que envolve, resulta cara. No Brasil, esta prática ainda não está amplamente disseminada mas já é praticada, principalmente na área médica.
No caso específico, segundo sua informação, o pagamento não é propriamente pelo artigo, mas para que ela se torne sócia da revista. Sugerimos que consulte a política editorial do periódico, que deve estar impressa na própria revista ou no seu site. A política editorial informa quais são os critérios utilizados para seleção e publicação de artigos.
Nada obstante, caso ela não concorde com o critério, pode submeter seu artigo a outros periódicos que não exijam contrapartida financeira. Seguramente na sua área de especialização existem vários em todo o Brasil.
Atenciosamente,
Ouvidoria-Geral do MCT

Indignado, entrei em contato com minha orientadora de graduação, uma professora muito amiga, Doutora em Comunicação. E aí a professora me lembrou de que quando terminou seu Doutorado, recebeu pelo menos cinco cartas a parabenizando e a convidando a publicar seu belíssimo trabalho em livro. Mas, é claro, um livro acadêmico é sempre importante e, afinal, sai caro um bom Lattes. Caro quanto? Cinco mil reais.

Não posso concordar com essa lógica, e me surpreende que entidades como a UNE fiquem mais preocupadas com o preço da passagem de ônibus do que com esse tipo de descalabro. Não é novidade alguma que a seleção para os cursos de pós-graduação passam por critérios pessoais, políticos, nada objetivos, e no momento que se cria uma ferramenta para tornar a escolha um pouco mais democrática, admitiremos que essa ferramenta sirva para privilegiar os estudantes com mais poder aquisitivo? Sem demagogia, dessa forma algum pobre que entrou na universidade pelas cotas ou pelo Pró-Uni conseguirá ingressar em Mestrados e Doutorados a partir desse critério mercantilista?

Para mim, o caso é muito grave. São essas pessoas com Lattes recheados que irão lecionar nas universidades federais e particulares (e há aos borbotões), são elas que irão formar os futuros médicos, advogados, jornalistas, professores? E quais os valores que essa geração acadêmica tem a passar? O valor do "quanto mais, melhor", do "quem pode mais, chora menos"? E essa realidade, todos sabem, se reflete desde o Ensino Fundamental, onde as creches e escolas públicas são cada vez mais abandonadas e as particulares proliferam e profissionalizam-se. Mas aí já é assunto para outra crônica...

Marcelo Spalding

Por que mais um blog?

"De repente se teve a possibilidade de dizer
tudo a todos, mas, olhando bem,
não se tinha nada para dizer."
Bertolt Brecht


Sempre tive resistência com blogs, e confesso que é a primeira vez que começo um, depois de ver tantos e tantos e tantos começarem e terminarem como os insetos que rondam nossa casa. Mas por que começar um blog, então?

Um, porque estou ingressando num Doutorado que tomará quatro anos da minha vida acadêmica e vai me encher com tantas informações que me obrigam a ter uma vazão.

Dois, porque há algum tempo venho publicando artigos, resenhas e tal na internet e isso não fica centralizado, nem meu site acaba dando conta. Espero que com o blog, consiga.

Três, por uma irresistível vontade de fazer parte do mundo dos blogueiros, do qual fazem parte muitos amigos.

Enfim, aqui inauguro um espaço para postar artigos, textos, comentários e dicas sobre literatura, tecnologia, comunicação e afins. Sem muitos compromissos nem preocupações estéticas. Afinal, blog é blog.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Era uma vez o conto de fadas


Marcelo Spalding

Era uma vez o conto de fadas, textos puros e ingênuos de fundamental importância para a formação dos valores infantis num tempo em que as crianças obedeciam mais, ouviam mais, eram, enfim, mais crianças.
Como é tentador começar o texto assim, mas seria ridículo! Ou, pelo menos, tão ingênuo e superficial quanto a versão que nossa geração ouviu dos contos de fadas. Porque se por um lado é verdade que os contos de fadas leves e bem desenhados da Disney marcaram nossa infância, também é verdade que na sua origem tais contos divertiam homens, mulheres e crianças ao redor de uma fogueira, falando de lobos e princesas, amor e morte. Isso num tempo em que sequer existia infância, e a literatura era transmitida oralmente.
Centenas de anos depois, tais histórias não perderam sua força nem popularidade, e são fonte de inspiração constante para escritores infanto-juvenis (figura inexistente até bem pouco tempo) e até para contistas experimentados, como a escritora Lívia Garcia-Roza. Em Era outra vez (Companhia das Letras, 2009, 88 págs.), seu mais recente livro de contos, Lívia revisita as narrativas infantis a partir de abordagens contemporâneas, atualizando conflitos e personagens num mundo sem tanto espaço para a imaginação ― nem tempo para magias.
A ideia não é original. Nós mesmos, aqui em Porto Alegre, através do Grupo Casa Verde, publicamos uma antologia de contos em 2006 intitulada Era uma vez em Porto Alegre, com proposta bem semelhante. Assim como decerto outros o fizeram em outros lugares. Mas o importante, afinal, não é a originalidade, e sim a abordagem que se faz desse tipo de história. Como sabemos, histórias como Cinderela e Branca de Neve remontam à Idade Média, e talvez ficassem restritas ao folclore europeu não fosse o grande esforço de compilação feito no século XVIII, especialmente pelos Irmãos Grimm. Reunidos em livros, os contos atravessaram o século e chegaram nas mãos de Walt Disney, que aproveitou o núcleo central das narrativas para desenvolver belas histórias de amor ao gosto de meninos e meninas que não passavam frio no inverno nem precisavam trabalhar em campos ou minas.
É esse tipo de história que ficou conhecida como "conto de fadas", ainda que haja mais a presença de animais do que propriamente de fadas, e que hoje repetimos a exaustão para relembrar ou recriar. No caso de Lívia, uma recriação não apenas temática, como também estética.
Partindo das personagens e dos temas das narrativas tradicionais, a autora constrói um conto moderno com todas as suas exigências (unidade de ação, intensidade, tensão, efeito, subtexto), confrontando a própria realidade ao mundo mágico das fadas, como em "A cigarra e a formiga" ou "A pequena sereia". Ali a fábula ou a história infantil são apenas pretexto para um belíssimo conto sobre o egoísmo dos pais, o abandono afetivo das crianças e sua incrível capacidade de inventar a vida ao redor, descobrindo risos e brincadeiras onde o leitor sentirá angústia e opressão (exemplar nesse sentido é o romance Extremamente alto e Incrivelmente perto, de Jonathan Safran Foer).
Em alguns contos, como em "Pequena Sereia", o clássico narrador dos contos de fada, em terceira pessoa, dá lugar para os leitores das histórias infantis, as crianças. E essa voz infantil, de uma criança madura, nada ingênua mas aberta à fantasia, é uma das mais fortes no livro, capaz de nos remeter de volta à própria infância e nos fazer questionar se os contos de fadas não estariam se acabando mais por nossa falta de tempo e imaginação do que pelas crianças do mundo de hoje.
"No caminho de volta pra casa, a sereia contou que era filha do Comandante dos Sete Mares (Sete Mares?). Quase perguntei onde eles ficavam, mas ela podia achar que eu não sabia, então eu não disse nada. Quis perguntar a mamãe se ela conhecia o Comandante, e ela disse que estávamos atravessando a rua e era para eu prestar atenção, não era hora de conversa. Olhei então para a sereinha, só que ela não me viu, porque estava no fundo do balde. Devia estar dormindo, com febre, por causa do resfriado. Mamãe puxou minha mão dizendo que ainda estávamos em pleno perigo, e eu totalmente desligada. Tentei de novo conversar com ela, mas mamãe nunca acha que é hora de conversa, nem ela nem meu pai, e meu irmão não diz nada, dá um chute na bola e quebra uma vidraça e mamãe pergunta se foi de propósito, então ele ri e sai de perto. Aí ela liga pro meu pai do celular e diz que meu irmão voltou a quebrar um vidro, e depois desliga, porque acho que papai também não quer conversa." (em "A pequena sereia")
Ou:
"Antes de eu sair outra vez, mamãe apareceu na porta do quarto e mandou eu jogar o gato fora, de preferência em frente à casa do meu pai, que ficava distante da nossa. (...) Quando minha mãe deu as costas, escutei o gato dizer que ia pular em cima dela. Encarei-o porque, apesar de cruel, ela é minha mãe desde o início." (em "O gato de botas")
Verdade que a criança solicitante e manhosa está presente em alguns contos, como em "Os três porquinhos" ou "A bruxa". "A bruxa", por exemplo, é um diálogo entre mãe e filha, com algumas intromissões furiosas do pai. A filha não consegue dormir por causa de determinada bruxa, e a mãe já tem dificuldades de se manter acordada durante o dia, levando o irritadiço pai a soluções extremas. De macho. E nos fazendo pensar quem ali, afinal, é a bruxa...
Em outros contos temos algumas inversões um tanto previsíveis, como um Lobo Mau que quer tirar satisfação daqueles que o tornaram vilão de suas histórias ou um espelho que se rebela contra a madrasta. Mas, de modo geral, a heterogeneidade do conjunto faz jus à riqueza dos contos de fadas, fonte inesgotável ainda hoje, num tempo de Shrek, Bob Esponja e Pokémon, num tempo de pais ocupados, avós viajantes e irmãos individualistas.
Sem contar que a leitura de um livro desses é sempre agradável, basta o conto mencionar um Lobo Mau para temermos pelas menininhas, lembrar Os Três Porquinhos para pensarmos na nossa casa de tijolos, citar os sete anões para ouvirmos, lá no cantinho do nosso passado, "eu vou, eu vou, para casa agora eu vou"...

Nota do Editor
Leia também "O casal 2000 da literatura brasileira".

Para ir além


Publicado originalmente no Digestivo Cultural em 19/3/2009.