terça-feira, 1 de agosto de 2006

Será que livro é lugar de crônica?


Marcelo Spalding

Ela está todos os dias em nossos jornais, invadiu a rede a partir dos blogs, transforma jornalista em artista e jornalismo em literatura: eis uma definição de crônica entre tantas possíveis. Gênero dos mais polêmicos, a crônica é ao mesmo tempo berço de grandes nomes como Machado de Assis e arena de gladiadores verbais como Roberto de Campos.

Em minhas oficinas, quando preciso diferenciar a crônica do conto (ou de uma narrativa ficcional), costumo lembrar que na crônica o narrador e o autor devem ser a mesma pessoa, que a crônica deve refletir algo da realidade e encerra uma opinião. Necessariamente, portanto, é datada, diferentemente do que costumamos chamar de literatura, e por isso mesmo não é comum vermos livros de crônica bem sucedidos, a não ser que compilem as crônicas de um conhecido jornalista contemporâneo (Jabor, LFV), mas aí vende pelo autor, não pelo gênero. Muito mais raro é vermos um importante prêmio literário concedido a um cronista em detrimento a um romancista, contista ou poeta.

Esse preconceito dos literatos para com a crônica não impede que alguns cronistas rompam a efemeridade jornalística e tornem-se escritores mais ou menos respeitados, especialmente a partir da mudança do jornalismo político para o empresarial. É o caso de João do Rio, o pioneiro, mas também de vários da geração seguinte, como Millôr Fernandes, Fausto Wolff e Antônio Maria.

Antônio Maria d´Albuquerque de Moraes (“Zé Maria, para os íntimos”) foi cronista dos mais originais e compositor de algumas das músicas mais tristes e bonitas do cancioneiro brasileiro, como “Ninguém me ama”. Nascido em 1921 no Pernambuco, criou programas de rádio, trabalhou na televisão, produziu esquetes para teatro e escreveu quase três mil crônicas que exploravam um lado oposto ao do compositor, o riso. E é este lado que Joaquim Ferreira dos Santos procura resgatar em Seja feliz e faça os outros felizes (Civilização Brasileira, R$ 22,90, 112 págs.). Joaquim, também jornalista, selecionou 34 crônicas escritas para jornais garimpando coleções de O Globo, Última Hora e O Jornal entre 1955 e 1964, ano da morte do cronista.

Pela diagramação já percebemos que os editores também se perguntaram se livro é lugar de crônica: há um cabeçalho trabalhado em cada página, letra capitular no começo dos capítulos e o desenho de um homem lendo jornal ao lado dos títulos, além da reprodução de páginas de jornal. Também a apresentação do livro tem este objetivo de transportar o leitor para o mundo das redações barulhentas em que Maria trabalhava num Rio de Janeiro há muito perdido. Mas são os próprios textos que nos remetem ao passado – e este é o ponto forte do livro –, não pela linguagem, que é desembolorada e clara, mas pela visão de mundo de um homem que viveu num mundo já meio século distante do nosso: “você fez mal, José, quando se casou com uma mulher feia”, escreve Antônio Maria na crônica que abre esta antologia, “diz um escritor francês que nós, homens, devemos desposar mulheres muito bonitas, porque só assim, um dia, nos veremos livres delas”.

Num sentido inverso, é impressionante que desde àquela época temas como mendicância, crise financeira e dólar alto já estivessem em pauta, nos levando a perguntar o que fizemos com nosso país ao longo destes cinqüenta anos. Apenas para ilustrar, veja se estas “Frases para dezembro” não poderiam estar nos jornais do fim do ano passado: “Eu espero que o ano que vem seja um pouquinho melhor”, “Nunca houve um ano tão ruim para negócios”, “Minha filha, com a vida pelo preço que está, nós não vamos fazer nada”, “Mas, hoje em dia, qual é a diferença que existe entre o champanhe nacional e o francês”, “Você acha que, com as coisas como estão, este Governo agüenta até o fim do ano?”.

Provavelmente você agora quer saber a que dezembro estas frases se referem, mas curiosamente a data de publicação não é mencionada em lugar nenhum, tampouco o jornal e o local onde o texto foi publicado, o que só podemos atribuir a um descuido da edição que, se não compromete, empobrece o ponto forte do livro, qual seja a competência que Antônio Maria tem de suscitar saudade mesmo em quem não viveu seu tempo, um tempo em que os melhores escritores eram impressos nas páginas mal cheirosas dos jornais, um tempo anterior aos blogs, à ditadura militar e à ditadura do mercado.

Seja feliz e faça os outros felizes, bem como outros livros de Antônio Maria lançados pela Civilização Brasileira, ainda tem outras duas funções importantes. A primeira é mostrar aos novos “escritores” e blogueiros que escrever crônica só parece simples, pois requer originalidade, talento e criatividade para lidar com temas cotidianos sem torná-los corriqueiros. A outra função é fazer eco à personagem que Maria se tornou ao longo do tempo, personagem de histórias folclóricas repetidas ainda hoje por gente como Millôr, Cony e Wolff. Uma delas, contada por Fausto Wolff, em A Milésima Segunda Noite, merece ser reproduzida aqui e fica como fecho da metade cômica do cronista Antônio Maria:

“(...)Um dia, Maria teve de viajar para São Paulo e numa reunião social encontrou uma mulher realmente deslumbrante que se deslumbrou com sua verve. Ambos haviam bebido um pouco demais e, quando a mulher perguntou-lhe o nome, não titubeou:

"– Carlos Heitor Cony

"Cony era realmente muito conhecido e admirado em São Paulo por causa dos seus excelentes romances e a mulher que já parara na de Maria ficou ainda mais excitada.

"Não sabemos se por culpa ou bebedeira, no quarto do hotel, Maria não deu conta do recado. Voltou para o Rio, e, ao encontrar-se com Cony alguns dias depois, no Lidador, lhe informou:

"– Broxaste em São Paulo.”


Para ir além


Publicado originalmente no Digestivo Cultural em 01/08/2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário